E eles saíram do Facebook por RICARDO NOBLAT

O que distingue a época em que eu corria dos PMs montados a cavalo nas ruas centrais do Recife, desta quando escrevo sobre os jovens vítimas da violência da PM de São Paulo, é que há 45 anos vivíamos sob o tacão da ditadura militar inaugurada em  março de 1964 e só concluída formalmente em março de 1985. De resto, agora como antes, o que os jovens tentam fazer é somente política. E nada mais.

Aqueles obrigados a conviver com a ditadura eram chamados pelas autoridades de subversivos, comunistas e, mais tarde, terroristas. Assim também eram apresentados pela imprensa em geral.

Enfrentavam a repressão com paus e pedras e derrubavam cavalarianos com bolas de gude.

 

 

 

Até dezembro de 1968 apenas apanhavam e eram presos por pouco tempo. Dali para frente passaram a ser torturados e mortos.

Muitos eram “filhos órfãos de pais vivos – quem sabe… Mortos, talvez… Órfãos do talvez e do quem sabe”.

Ou de “viúvas de maridos vivos, talvez; ou mortos, quem sabe? Viúvas do quem sabe e do talvez”, como denunciou o cearense Alencar Furtado, líder do PMDB na Câmara dos Deputados, em discurso que lhe custou o mandato cassado em junho de 1977 pelo presidente-general Ernesto Geisel.

Um objetivo unificava as diversas tendências e organizações que atraíam os jovens: a luta pela liberdade.

Quando a ditadura tirou a máscara e exibiu sua carranca medonha, os jovens se dividiram entre duas formas de combatê-la: pela via legal do prudente exercício cotidiano da política e pela via armada.

Quando a ditadura chegou ao fim, os que ainda eram jovens foram terminar seus estudos e cuidar da vida.

O ambiente estudantil, as entidades juvenis que restaram e os partidos que passaram a atuar livremente depois da redemocratização do país foram incapazes de seduzir as gerações que sucederam àquelas sacrificadas ou brutalizadas pela ditadura de 64.

Quem se encarregou de fazê-lo foi a sociedade de consumo com todas as suas formidáveis invenções. Os jovens só se animaram a sair às ruas para ajudar a derrubar Collor e a eleger Lula. Desanimaram ao vê-los mais adiante de mãos dadas como bons aliados.

As redes sociais começaram a funcionar como seu ponto de encontro e sua tribuna.

Manifesto eletrônico tomou o lugar dos antigos abaixo-assinados. Nunca se produziu tanto manifesto como nos últimos 10 anos. Basta colar ali o nome previamente digitado e sair para a balada.

Ainda é assim. Talvez ainda seja assim por muito tempo. Talvez esteja deixando de ser assim. É cedo para saber. E, no entanto…

No período de apenas uma semana, alguns milhares de jovens marcharam pelas ruas de uma dezena de cidades protestando contra o aumento das passagens de ônibus, os milionários gastos públicos com a Copa do Mundo, e o Estatuto do Nascituro.

Foram recepcionados com bombas de gás lacrimogêneo, spray de pimenta, balas de borracha e policiais furiosos capazes de baixar o cacete em quem apenas a tudo assistia assustado.

O epicentro dos protestos foi a capital de São Paulo. Ali, e em mais três ou quatro capitais, esta noite promete novos confrontos entre o novo e o velho, o aprendiz e o sabe tudo, o insatisfeito e o conformado.

Pouco importa que os jovens disparem suas exigências em todas as direções sem  priorizar nenhuma, que careçam de líderes amadurecidos, e que acolham em seu meio uma minoria de baderneiros e de vândalos.

Desde quando foi diferente no passado?

Somente a experiência ensina. E não há porque imaginar que os jovens de hoje não aprenderão.

Por mais legítimo que seja, o poder existe para ser contestado. Se não for pode virar tirania.

A natureza do poder é conservadora.

A natureza da rebeldia é destrutiva.

O progresso social e humanístico é filho legítimo do eterno confronto entre a rebeldia e o poder.

Que assim seja!

 

LINK:http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2013/06/17/e-eles-sairam-do-facebook-500300.asp

Anúncios