Pretos, pobres e escola de samba. Bem diferente do que é atualmente !!!

“”Documentário raro mostrando a Unidos de Vila Isabel em 1965. Faz parte da compilação “Brasil Verdade” de 4 médias-metragens realizados entre 1964 e 1965, lançados na forma de um longa de episódios em 1968, que veio a se tornar um dos clássicos do documentário brasileiro, a produção geral dos filmes foi de Thomas Farkas.

Ganhou o Prêmio Dziga Vertov no Festival Internacional do Filme, Rio de Janeiro em 1967, e Menção Especial no VIII Festival de Cinema dos Povos Florença, Itália em 1967.””

Nazismo à Francesa

A França se destaca como país moderno e faz propaganda sobre as 3 bases da Revolução Francesa: Fraternidade, Igualdade e Liberdade.

Entretanto, esta teoria é destinada apenas aos franceses. Quando tratamos das colônias exploradas pelo país de Sartre, o buraco é mais embaixo.

A Argélia foi roubada por mais de 120 anos pela igualdade e Fraternidade gaulesa. Durante a guerra de libertação desse povo, os militares europeus, que defenderam o país contra Hitler, utilizaram e sofisticaram os métodos de tortura e segregação.
A Cabah, bairro pobre dos árabes, foi transformada num gueto onde os argelinos só saíam com autorização militar.

Essa história você não verá na grande mídia, por isso vale a pena assistir A BATALHA DE ARGEL, filme da rodado na recém criada Argélia.

 

Documentário Piaget explica Piaget

Achava Vigotsky difícil até ler Piaget.
Este é um ótimo documentário em que os psicólogo suíço explica suas descobertas em uma linguagem totalmente acessível (bem diferente de seus livros).
Prova disto é que apesar das legendas serem em espanhol, qualquer brasileiro consegue entender bem !!!

 

 

 

 

Caso se interesse, recomendo o post Os quatro grande estágios do desenvolvimento da inteligência de Jean Piaget.

 

 

Eu quero um documentário decente

Quanto era adolescente, e não dinheiro nem pra pegar um ônibus, um dos meu “grandes” sonhos era ter um tv por assinatura. Sempre via as propagandas dos famosos canais de documentários: Discovery, NAtGeo, History, entre outros. Achava que ali poderia ver filmes sobre a roma antiga, gênios da física e entrevistas sobre a segunda guerra.

Atualmente tenho todos e não assisto a nenhum. Acho interessante como todos são a iguais. Os mesmos programas, ideia, formato, tendo como única diferença o nome e os apresentadores.

É mais interessante para as mentes que comandam os canais mostrar bizarrices e superficialidades, do que algo que nos torne cidadãos mais críticos. Vale mais a pena exibir o adolescente de meia tonelada, ou o senhor com um tumor de não sei quantos quilos, do que trazer a tona debates que possam de forma concreta mudar para melhor a realidade de milhões de pessoas no mundo.

Massacre palestino, dívida externa impagável, terrorismo dos países tidos como “desenvolvidos”; nada disso entrar na pauta e é bem provável que nunca entrará. É melhor você ver um dono de antiquário barganhando e perdendo a cabeça em cima de dez dólares, ou quem sabe dois “engenheiros” fazendo experimentos  fraudulentos e que todos sabem que nunca deram certo.

A cada dia que passa eu fico com a certeza que tudo é incerto, até o passado …..

Viva à Democracia do Capital, por MATEUS NIKEL

Liberdade sem Direito é a Liberdade dos mais Poderosos

40% das tvs na França, Alemanha e Inglaterra são públicas?

A globo nunca disse isso, novidade, pq será?

Ótima contribuição para a humanidade este pequeno filme .

 

A anarquia do youtube tá melhor que as tvs abertas e fechadas !!!

– Este vídeo foi postado originalmente com o nome “Levante a Sua Voz”. Eis o crédito do mesmo:

Vídeo produzido pelo Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social com o apoio da Fundação Friedrich Ebert Stiftung remonta o curta ILHA DAS FLORES de Jorge Furtado com a temática do direito à comunicação. A obra faz um retrato da concentração dos meios de comunicação existente no Brasil.”

Roteiro, direção e edição: Pedro Ekman
Produção executiva e produção de elenco: Daniele Ricieri
Direção de Fotografia e câmera: Thomas Miguez
Direção de Arte: Anna Luiza Marques
Produção de Locação: Diogo Moyses
Produção de Arte: Bia Barbosa
Pesquisa de imagens: Miriam Duenhas
Pesquisa de vídeos: Natália Rodrigues
Animações: Pedro Ekman
Voz: José Rubens Chachá